Publicado em: terça-feira, 22/04/2014

Berzoini avalia como impossível uma CPI “bem feita” em ano eleitoral

Berzoini avalia como impossível uma CPI bem feita em ano eleitoralO ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, que também é responsável pela articulação política do governo federal considera que nenhum parlamentar com experiência e sincero, pode julgar uma CPI “bem feita” a apenas dois meses das convenções partidárias no qual serão oficializados candidatos a eleição deste ano.

A oposição já fez duas tentativas de trazer uma comissão parlamentar de inquérito afim de investigar a Petrobras, no Senado e no Congresso, entretanto, a base governista tem se restringido a uma CPI exclusiva tentando incluir no rol de denúncias a serem apuradas pela comissão obras em estados governados pela oposição, como São Paulo e Pernambuco. Nessa quinta-feira durante uma entrevista, ele afirmou que: “O ímpeto pela CPI é o ímpeto político-eleitoral. Não há qualquer parlamentar com experiência e que seja sincero neste momento que possa avaliar que é possível fazer uma CPI bem feita praticamente a dois meses de começar o processo de convenções partidárias. Necessariamente, isso vai ter uma conotação eleitoral”.

“Não será útil para o país no momento”

Ele que tomou posse do cargo há mais de duas semanas, a pretensão em investigar a Petrobrás através de uma comissão parlamentar de inquérito ressalta uma total “debilidade programática” da oposição. O ministro também destaca que, uma CPI não será útil para o país no atual momento em que ele vive, porque o investimento na refinaria de Pasadena pela Petrobras, operação que está sendo investigada por superfaturamento, e também por outras instancias, como o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Polícia Federal.

“Agora, a oposição, até em razão da sua debilidade programática, tem que botar um fato político na frente para poder esconder essa falta de propostas para o país que particularmente eu identifico nos dois candidatos que estão se apresentando como alternativa”, afirmou. Quando questionado sobre se a CPI ampliada que foi proposta pela base do governo seria apenas como forma de retaliação contra a oposição, até mesmo porque ele não enxerga ‘utilidade’ na investigação pelo congresso, ele afirma que se trata de um jeito de se assemelhar a um debate político.