Publicado em: quinta-feira, 03/04/2014

Bebes recém-nascidos dividem o mesmo leito em uma maternidade, no Piauí

Bebes recém-nascidos dividem o mesmo leito em uma maternidade, no PiauíUma situação crítica foi flagrada por uma funcionária da Maternidade Dona Evangelina Rosa, a maior unidade neonatal pública do Piauí. O flagrante se trata de bebes recém-nascidos dividindo o mesmo leito. Uma das fotos divulgadas mostra quatro bebes que foram colocados dentro um único berço na sala RN, a sala acolhe os recém-nascidos enquanto aguardam a transferência para enfermarias, UTI Neonatal ou berçário.

De acordo com a funcionária, que preferiu não ser identificada, o que aconteceu é ‘descaso’, ela conta que muitas crianças sadias são mantidas por até três dias no mesmo berço com outras que têm patologias, correndo risco de infecção ou até mesmo de morte. A sala RN fica superlotada de bebês sadios esperando vaga no berçário, e aqueles com patologia aguardam ser levados para a UTI que tem apenas 20 vagas.

Ela complementa contando que, no hospital se dá o ‘jeitinho’, porque são responsáveis por elas quando estão na maternidade, mas acabam ficando sem saber o que fazer. Em nome do hospital, a servidora declara: “ficamos com esta situação de colocar três a quatro crianças no mesmo berço, mas na RN temos apenas cinco leitos. Esta sala seria somente para medir e pesar as crianças, no entanto acaba funcionando como uma mini UTI”. Uma situação semelhante a essa já havia sido divulgada em setembro de 2013, quando uma médica divulgou fotos de dois bebes no mesmo leito.

Justificativa

Segundo o diretor da unidade de saúde, Francisco Martins, a situação não deveria acontecer, entretanto, é resultante de uma superlotação na maternidade, portanto essa medida é necessária. Ela justifica dizendo que, a sala RN possui 10 leitos, mas não deveria existir, os recém-nascidos deveriam ser levados imediatamente para as enfermarias, mas não há vagas e elas precisam aguardar a liberação de uma cama ou esperar a mãe retornar do centro cirúrgico. Estes casos acontecem quando a demanda é muito grande. Atualmente, a maternidade se encontra com 95% da sua capacidade preenchida. Estas crianças ficam na sala de RN apenas 10 ou 15 minutos aguardando a liberação da mãe e, dependendo do caso, alguns são encaminhados para a UTI. O diretor ainda afirma que os bebes que estavam dividindo o leito estavam sadios e que a cena é ‘comum’ no local, a prática é colocarem até duas crianças para dividir o leito.