Publicado em: sexta-feira, 07/10/2011

Barbiere reitera acusações contra Assembleia de SP em carta enviada ao Conselho de Ética

O deputado estadual Roque Barbiere (PTB), responsável pela acusação de vendas de emendas na Assembleia Legislativa de SP, respondeu às críticas em carta enviada nesta quinta-feira (06) ao Conselho de Ética da Assembleia reafirmando as suas constatações feitas previamente. Barbiere garantiu que entre 25% e 30% dos 94 parlamentares são adptos à prática de vender emendas para o Orçamento do governo estadual. O deputado foi convidado a participar presencialmente da reunião, mas optou por enviar a resposta por escrito.

De acordo com o texto da carta, “as emendas surgiram em meados de 2005. No início achei bom. Alguns poucos a utilizam inadequadamente. Será que foram os ilustres integrantes desse conselho que eu quis ofender? Não. A grande maioria dos deputados é gente boa. Eu não sou dedo-duro. Não citei nomes e não vou citá-los. O meu pensamento ao dar a tal entrevista é acabar com as emendas. Elas nos mantém reféns do Executivo”.

Na quarta-feira (05), o presidente da Assembleia, Barros Munhoz (PSDB), declarou que Barbiere precisava esclarecer as suas acusações, pois, de acordo com Munhoz, tais afirmações são caluniosas e injustas. Para Munhoz, Barbiere pode ser processado por quebra de decoro parlamentar. Barbiere comparou a Assembleia com os camelódramos e disse que ali cada um tem seu preço e seu jeito de vender.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), também declarou na quarta-feira que Barbiere precisa defender o que afirmou. Para o governador, se Barbiere teve a liberdade para fazer a acusação, ele também deve comprovar o que diz.