Publicado em: quinta-feira, 06/10/2011

Banco Central Europeu aumenta ferramentas de ajuda aos bancos

O Banco Central Europeu (BCE) informou, nesta quinta-feira (6), algumas medidas de apoio aos principais bancos da Eurozona. O anúncio foi feito antes de uma reunião em Berlim, na Alemanha, entre as principais instituições financeiras internacionais, que irão tratar da crise da União Monetária.

Os diretores do BCE, que decidiram se reunir na capital da Alemanha e não na sede do banco, em Frankfurt, conservaram a taxa básica de juros em 1,5%. O FMI (Fundo Monetário Internacional) afirmou, em Washington, que a economia possui espaços para que a taxa seja reduzida. Além desse anúncio, o BCE divulgou várias outras medidas para apoiar os bancos mais ameaçados pelos títulos soberanos dos países mais fracos da zona do euro.

A instituição planeja duas operações de crédito ilimitado a 12 e 13 meses, em outubro e dezembro. O BCE não tomava atitude semelhante desde dezembro de 2009, durante a primeira crise econômica, iniciada em 2008. O presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, também anunciou que irá reativar o programa de recompra de obrigações garantidas, por um valor de aproximadamente 40 bilhões de euros, até outubro de 2012. As obrigações serão, na maioria, garantidas por bens imobiliários.

O objetivo dessas operações é garantir que os bancos europeus não fiquem limitados quanto à liquidez.