Publicado em: segunda-feira, 09/04/2012

Babás brasileiras ganham até 15 mil dólares trabalhando para famílias ricas em NY

Profissionais não muito bem pagas no Brasil são valorizadas nos Estados Unidos e recebem altos salários por seus serviços. As babás em Nova York recebem, em média, US$ 85 mil anualmente, o que equivale a R$ 13 mil por mês. A agência Pavillion, contatada pelo jornal Folha de S. Paulo, é especialista em funcionários do lar, e seu anúncio atrai a clientela com a frase “Sua babá dos sonhos está aqui”.

Nesta agência, as governantas sabem jogar golfe e dominam vários idiomas. As babás frequentaram escolas de culinária, sabem usar PC e Mac e, algumas, até colocam no currículo que sabem patinar. A crise econômica não afeta os ricos norte-americanos de Nova York, que procuram pela agência em busca de mordomos e serviçais que cuidem de seus guarda-roupas. O presidente-executivo da Pavillion, Keith Greenhouse, disse para a Folha de S. Paulo que, algumas vezes, o cliente nem sabe o que faz um mordomo, mas querem ter um em casa.

As babás

A agência Pavillion ficou famosa pelo mundo através de uma reportagem publicada pela revista “New York Times”. A personagem da matéria era a brasileira Zenaide Muneton, que trabalha como babá na cidade norte-americana e recebe US$ 15 mil por mês, mais US$ 3 mil para pagar o aluguel. Zenaide ficou tão conhecida que seu nome aparecia 168 mil vezes no site de busca Google na última sexta-feira.

A reportagem da Folha de S. Paulo encontrou mais uma profissional, a gaúcha Luana Gatti, de 40 anos, que está nos Estados Unidos desde 1989. Ela contou para o jornal que, logo após completar 18 anos, foi procurar emprego nos EUA. Ela receve US$ 85 mil por ano e trabalha 40 horas por semana.