Publicado em: segunda-feira, 05/05/2014

Autoridades anunciam luto no Afeganistão

Autoridades anunciam luto no AfeganistãoA população do Afeganistão sofre com as mortes causadas por um deslizamento de terra. Por tantas perdas, as autoridades do país decretaram luto em memória às vítimas fatais. A medida foi divulgada depois que as buscas por sobreviventes foram dadas como encerradas.

A estimativa de mortes é de 2,7 mil. Todos moradores da província afegã de Badakhshan. A decisão do governo do Afeganistão foi tomada no último domingo, dia 4 de maio. O deslizamento aconteceu na sexta, dia 3, na região nordeste do país. De acordo com dados da Organização das Nações Unidas (ONU), há 350 pessoas mortas confirmadas. Esse foi o total de corpos encontrados.

Mas, a organização com base em Genebra Internacional para as Migrações (OIM), diz que há pelo menos 2.700 pessoas mortas ou desparecidas.

Durante o domingo, as bandeiras ficaram a meio mastro em território afegão. Além disso, também ficaram na mesma situação nas dependências de representações diplomáticas em todo o mundo. As buscas foram encerradas porque o local onde ocorreu o acidente estava comprometido e havia risco para as equipes de resgate.

A encosta localizada acima da região onde houve o deslizamento poderia cair de novo afetando ainda as pessoas que se encontram desabrigadas. A princípio, as buscas foram feitas pelos próprios moradores e policiais. Eles estava fazendo a escavação com ferramentas básicas. Mas, perceberam que seria impossível encontrar sobreviventes já que havia muitos escombros e a lama estava profunda.

O país revela dados de que esse desastre só não foi maior do que o terremoto de 1998, em Takhar. Na época, 3.500 pessoas morreram na região norte do Afeganistão. A partir de agora, os trabalhos focam na ajuda aos desabrigados que somam 4 mil. Ao menos 300 casas ficaram soterradas. A província é uma área pobre do país e faz fronteira com o Tajikistão.

Praticamente toda uma vila foi apagada do mapa. As famílias sobreviventes perderam tudo o que tinham e precisam de ajuda como água, alimentos, abrigo e remédios.