Publicado em: segunda-feira, 03/03/2014

Autismo e tendências suicidas podem ser potencializados caso o pai tenha tido o filho com idade mais avançada

Autismo e tendências suicidas podem ser potencializados caso o pai tenha tido o filho com idade mais avançadaUma pesquisa americana afirmou que a idade do homem quando se torna pai pode afetar diretamente a saúde dos filhos. Segundo o estudo, o fator idade do pai está ligado ao desenvolvimento de autismo, esquizofrenia, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, bipolaridade e comportamentos suicidas, além de aumento nas tendências do filho, quando jovem, ser mais propenso a um maior consumo de entorpecentes.

Estes problemas seriam causados pelas mutações naturais que a idade causa nos espermatozoides. Porém, na questão emocional, ser pai com mais idade pode facilitar o relacionamento com os filhos, de modo que haja mais equilíbrio e estabilidade na relação.

A pesquisa foi realizada na Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, e contou com colaboração internacional do Instituto Karolinska, na Suécia, e é tida como um dos mais aprimorados e bem planejados estudos já realizados sobre o tema. Ao todo, foram pesquisadas 2,6 milhões de pessoas, incluindo filhos nascidos do mesmo pai em períodos curtos e mais longos.

Riscos de doenças chegam a ser 25 vezes maiores

Outros fatores, como a educação dada pelos pais, foram pesquisados para conhecer a relação entre eles e os problemas de saúde. Entre os resultados detectados quando a comparação foi entre filhos com pais de 45 anos e de 24 anos, os primeiros foram detectados com três vezes mais chances de desenvolver autismo, 13 vezes mais risco de transtorno de déficit de atenção com hiperatividade e 2,5 mais probabilidade de transtorno bipolar.

Além disso, as crianças de pais mais velhos têm, segundo o estudo, o dobro de chances de terem desordem psicopática, 2,5 vezes mais risco de desenvolver comportamento suicida ou problemas com drogas e desempenho escolar inferior.

Os números assustam por serem muito maiores do que os já apresentados em outros estudos, mas o risco geral, de acordo com os cientistas, permanece baixo. Ou seja, a idade não é um fator determinante para o desenvolvimento dessas e outras doenças, e esses casos representam apenas uma pequena parcela da população.