Publicado em: segunda-feira, 05/03/2012

Aumento do preço da passagem para barcas gera protestos em Niterói

Durante a manhã da última quinta-feira (1), cerca de 300 pessoas participaram de uma manifestação em frente à estação das Barcas na cidade de Niterói, no Rio de Janeiro. Elas protestaram contra o aumento de quase 61% da tarifa – que passou de R$2,80 para R$ 4,50. Utilizando bandeiras, cartazes e apitos os manifestantes criticaram o governo do Estado por ter autorizado o reajuste à empresa Barcas S/A, responsável por operar a travessia Rio-Niterói.

A Barcas S/A entrou com uma liminar na Justiça, em que cita o PSOL e o professor estadual Henrique Santos Monnerat para que “se abstenham da prática de qualquer ato de ameaça de posse, turbação, ou esbulho”, sob pena de pagamento de multa de R$ 5 milhões. Henrique divulgou um vídeo na internet protestando contra o aumento e por isso foi intimado a depor.

Já o PSOL definiu a atitude da Barcas S/A como “cerceamento dos direitos democráticos” por tentar impedir um partido político de exercer seu direito de protestar. “É inadmissível que um partido corra o risco de ser multado em R$ 5 milhões por se indignar contra uma afronta à população, enquanto a Barcas S/A, que vem castigando seus usuários com um serviço de péssima qualidade, não seja penalizada pelas autoridades estaduais”, declarou a deputada estadual Janira Rocha, a presidente do PSOL-RJ.

A Barcas S/A Transportes Marítimos teve seu pedido de “Interdito Proibitório” atendido. A ação judicial impede qualquer tipo de ameaça à posse e é uma espécie de defesa indireta. O professor Henrique Campos Monnerat, enviou uma nota em que diz que “entende que qualquer manifestação pacífica é legítima, mas condena manifestações violentas que incitem o vandalismo e coloquem em risco a integridade física dos passageiros”.

“Protestar é um ato democrático. É inacreditável que em pleno século 21, um juiz possa responsabilizar um partido por uma vontade popular. Além disso, considero o aumento das passagens um crime contra a população carioca e fluminense”, afirmou Marcelo Freixo, deputado estadual (PSOL-RJ).