Publicado em: quarta-feira, 30/10/2013

Aumenta o número de agressões a jornalistas no país

Aumenta o número de agressões a jornalistas no paísMais de 100 jornalistas sofreram algum tipo de violência no país desde junho deste ano. O estudo é da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e foi exposto em coletiva de imprensa na tarde de ontem na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo. Deste número, 77 vieram da polícia e 25, de pessoas que acompanharam os protestos pelo país afora.

Tão somente no estado de São Paulo foram contados 39 casos de agressão contra jornalistas e fotógrafos. No Rio de Janeiro, somaram 23, número oito vezes superior ao de Brasília.

Desde 2010, nota-se um crescimento nos fatos em que a violência contra profissionais da imprensa chegam às vias de fato, afirmou Guilherme Alpendre, diretor-executivo da Abraji. Ele também relatou que até oito jornalistas são mortos por ano no país, exercendo a profissão.

Especificamente em 2013, os dados foram alarmantes, talvez por conta da onda de manifestos que tomou cota do país meses atrás, o fato é que segundo Guto Camargo, do sindicato da categoria em São Paulo, desde os anos chumbo não se via tanta violência à determinada classe de trabalho.

E a análise expõe que em mais de 80% dos episódios a agressão parte da Polícia Militar. Ou seja, uma questão política.

Um dos casos que mais chocou o país envolveu o fotógrafo freelancer Sérgio Silva que estava fazendo a cobertura de um protesto no dia 13 de junho, quando foi alvejado por um tiro de borracha no olho esquerdo o que o causou a perda da visão, sem motivo aparente. Silva relata que sem dúvida houve abuso de poder por isso ele acabou vitimado. Ontem mesmo entidades e profissionais da imprensa se manifestaram no Centro de São Paulo contra a violência e o aumento de casos com esta finalidade entre os jornalistas.