Publicado em: quarta-feira, 15/02/2012

Aumenta número de empresas que buscam crédito

O número de empresas que buscaram crédito em janeiro de 2012 aumentou 9,1% em relação a dezembro de 2011. Esta foi, segundo a Serasa Experian, a primeira alta depois de quatro meses de recuo.

No mesmo período de 2011, o Indicador da Demanda das Empresas por Crédito registrou uma elevação de 3,6%. Além disso, a pesquisa destaca que todos os setores da economia brasileira aumentaram as suas demandas por crédito neste primeiro mês do ano.

De acordo com a Serasa Experian, o objetivo das empresas é retomar a economia, buscar crédito, acelerar a produção e aumentar os estoques de produtos. Depois da desaceleração econômica vivida pelas empresas brasileiras nos últimos seis meses de 2011, o ano de 2012 se inicia com perspectiva de crescimento.

Setor industrial e pequenas empresas buscam mais crédito

De acordo com os dados da Serasa Experian, o setor que mais apresentou crescimento, relacionado com dezembro, foi o industrial. O aumento foi de 11,2% e pode ser considerado como resultado das reduções das taxas de juros e da melhoria do cenário externo. Se comparado com janeiro de 2011, o crescimento foi de 4,6%.

Em segundo lugar ficou o setor comercial, com alta de 10,1%. Mas relacionando-se a janeiro do ano passado, o crescimento não passou de 0,9%. Depois vem o setor de serviços com um aumento de 7,5% ante dezembro e de 6,7% em comparação ao mesmo período de 2011.

Segundo o porte das empresas, as micro e pequenas foram as que mais procuraram crédito no mês de janeiro. O aumento, em relação a dezembro foi de 9,7%. As médias apresentaram pouca mudança se comparada com dezembro, pois o aumento foi de apenas 2%.

Ao contrário destas, as grandes companhias recuaram na procura por crédito ante dezembro (-1,3%). No entanto, se comparado com o mesmo período de 2011 é a categoria que obteve a maior alta, com 14,7%. O que explica essa mudança são as alterações no cenário externo, pois tais empresas podem ter buscado fontes de financiamento externas que são mais baratas que as existentes no país.