Publicado em: sábado, 22/10/2011

Atividade de tecnólogo é regulamentada pela Comissão de Educação e Cultura

Na última quinta-feira (20), a Comissão de Educação e Cultura aprovou a proposta que perdia que a profissão do tecnólogo fosse regulamentada. Segundo o texto da propostas, poderão receber a nomeação aqueles profissionais que forem habilitados em alguma das instituição de ensono superior que são reconhecidas oficialmente. Porém, o texto ainda exclui determinadas atividades que não praticadas com esta designação.

A proposta foi aprovada pelo substituto do relator, o deputado Angelo Vanhoni. O texto original do Projeto de Lei 2245/07 foi criada pelo deputado Reginaldo Lopes. O projeto passou por algumas mudanças em comparação ao original no que fiz respeito a supressão de alguns projetos que são reservados exclusivamente aos tecnólogos em atividade.

Segundo o texto, os tecnólogos tem as funções de: “analisar dados técnicos, desenvolver estudos, orientar e analisar projetos; supervisionar e fiscalizar serviços técnicos dentro das suas áreas de competência contempladas no Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia do MEC; prestar consultoria, assessoria, auditoria e perícias; exercer o ensino, a pesquisa, a análise, a experimentação e o ensaio; conduzir equipes de instalação, montagem, operação, reparo e manutenção de equipamento.

Para Vanhoni, a nova lei tem que como principal objetivo valorização a profissão do tecnologia, uma vez que este tipo de educação é utilizado no país desde os anos 60 e desde então consegui criar bases sólidas e legais, apesar de existirem preconceitos sobre a categoria.