Publicado em: segunda-feira, 04/06/2012

Aterro de Gramacho é desativado

O maior aterro da América Latina, o Aterro Sanitário de Gramacho, finalmente foi interditado para um processo de recuperação ambiental. A interdição aconteceu na tarde de ontem, domingo (03).

Na cerimônia que oficializou o fechamento do aterro foi quando o último caminhão de lixo despejou o material no Gramacho. O depósito está localizado na Baixada Fluminense, em Duque de Caxias, e encerra as atividades com mais de sessenta milhões de toneladas de lixo. Este conteúdo contaminou as águas da Baía de Guanabara e quase extinguiu um mangue vizinho.

Na cerimônia, o prefeito do Rio de Janeiro declarou que está sendo encerrado um crime ambiental que tem mais de 30 anos, contaminando a cidade. De forma simbólica, a solenidade colocou um cadeado na entrada do depósito.

Foram trinta e quatro anos recebendo a maior parte de lixo advindo de Duque de Caxias e Rio de Janeiro. No Jardim Gramacho, grande parte das quase oito toneladas e meia de resíduos gerados no Rio eram despejadas em céu aberto, sendo disputada e remexida por mais de mil e seiscentos catadores e inúmeros urubus.

O aterro já estava com seu fechamento previsto há meses, mas acabou atrasando devido a permanência dos catadores no local, que exigiu a negociação de indenização pela perda da fonte de renda, no valor de R$ 14 mil. Além disso, os catadores ainda irão receber cursos de capacitação, para que encontrem outras formas de sustento.

Questão ambiental

A ministra do meio ambiente também esteve presente na solenidade e afirmou ser preciso usar o modelo do Rio de Janeiro para que se fechem todos os lixões do Brasil. De acordo com ela, o fechamento representa um grande avanço na área ambiental brasileira.

Será agora realizado todo um processo de recuperação ambiental na área do despejo, onde o funcionamento de uma usina, que usa o gás metano que procede do material orgânico para gerar eletricidade, continuará ocorrendo normalmente.

Na mesma cerimônia estiveram presentes também alguns catadores que atuavam na área de despejo. A presença representa que uma parte dos trabalhadores locais está empolgada com o começo de uma vida nova. Outras, apesar das dificuldades, já declararam continuar com a coleta, só que em outros lugares.