Publicado em: segunda-feira, 10/03/2014

Ataque virtual de origem russa afeta computadores do governo americano e da União Europeia

Ataque virtual de origem russa afeta computadores do governo americano e da União EuropeiaUm spyware avançado conseguiu driblar os sistemas de segurança dos computadores governamentais dos Estados Unidos e países europeus. O software malicioso é o responsável pelo furto de informações sigilosas, e foi desenvolvido por hackers russos. Conhecido como “Turla”, ele é tido como um dos mais complexos spywares descobertos até hoje.

Diversos especialistas em segurança digital do ocidente ligam o malware diretamente ao governo da Rússia, e acreditam que seja parte de uma das ações estratégicas para o eminente confronto com a Ucrânia. O objetivo seria descobrir países que se aliariam ao adversário, sanções que pudessem ser impostas e até mesmo tática militares. Isso porque o “Turla” pode ter sido baseado em um vírus espião que promoveu uma violação maciça de dados das forças armadas americanas em 2008.

Além disso, o spyware pode estar diretamente ligado a uma grande operação de espionagem cibernética apelidada de Outubro Vermelho, da qual o foco eram redes de pesquisa nuclear diplomática e militar. Mesmo com as suspeitas, ainda não é possível afirmar com certeza que o “Turla” seja russo, e principalmente que esteja ligada ao governo daquele país, pelo menos até que Moscou assuma a autoria do ataque, já que hackers costumam mascarar suas identidades e localizações.

Alvos estratégicos

Também segundo especialistas, os hackers patrocinados pelo governo russo são conhecidos por sua habilidade e disciplina, e muito eficientes na manutenção do controle sobre as redes infectadas, sempre escolhidas a dedo e de maneira muito estratégica.

Este vírus foi descoberto recentemente, e inicialmente foi chamado de Uroburos. A empresa de segurança digital G Data, da Alemanha, foi a responsável pelo achado. A princípio, o Escritório Federal de Segurança da Rússia afirmou que não vai comentar sobre o caso, mesmo discurso adotado pelo Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos, no Pentágono.