Publicado em: terça-feira, 02/08/2011

Assembléia de Cuba aceita reformas econômicas que permitem a volta da propriedade privada

O presidente da ilha de Cuba, Raúl Castro, irmão de Fidel Castro, pressionou nesta segunda-feira (01) a Assembleia Nacional para que sejam aprovadas as reformas na economia propostas por ele. No mesmo dia, as modificações foram aceitas, o que significa que alterações drásticas vão acontecer na economia comunista do país cubano. Foi o próprio presidente quem decidiu abrir a sessão para discutir as modificações que devem ser feitas na política econômica de Cuba.

Entre as mudanças contidas na reforma proposta por Raúl, uma das principais alterações é a possibilidade de ter uma propriedade privada. Essa será a primeira vez em 50 anos que isso se torna permitido. Com isso, os cubanos vão poder adquirir locais próprios, nos quais devem ser criados estabelecimentos comerciais. Além disso, o governo prevê a demissão de um milhão de trabalhadores do setor público. Esses empregos, provavelmente, não vão ser repostos, sendo que a intenção é diminuir o gasto público e incentivar a economia privada.

O atual presidente recebeu o poder sobre a nação do seu irmão em 2008, sendo que desde então vem defendendo a abertura de Cuba a uma política de mercado livre limitado. Ainda em abril desse ano, o Congresso do Partido Comunista aceitou 313 alterações na lei cubana, as quais deixam mais fácil viajar ao exterior e a liberação de pequenos empreendimentos.

Por enquanto, cada cubano será autorizado a comprar apenas uma casa residencial, mas os habitantes podem comprar quantos carros quiserem. Além disso, os habitantes do país também estarão livres para venderem as casas onde vivem.