Publicado em: quarta-feira, 22/01/2014

Arthur Chioro, futuro ministro da saúde, é investigado em SP por improbidade administrativa

Futuro ministro da saúde é investigado em SP por improbidade administrativaMal foi convidado para assumir o cargo de ministro da saúde pela presidente Dilma Rousseff, e, Arthur Chioro, que deve ficar no lugar de Alexandre Padilha, já está sendo investigado por improbidade administrativa. Atualmente, ele é secretária da Saúde no município de São Bernardo do Campo, SP.

A investigação apura se o secretário violou ou não o princípio de administração pública, pois, além de ser secretário da saúde, ele também é sócio da empresa Consaúde Consultoria, Auditoria e Planejamento LTDA, que presta serviços para várias cidades, o que vai contra a Lei Orgânica de São Bernardo do Campo.

Segundo inquérito civil, a empresa presta serviço para vários municípios do estado, inclusive nos que estão sob gestão petista, como é o caso de Ubatuba e Botucatu.

A presidente Dilma começou a sacramentar a escolha por Chioro na semana passada. Ela afirmou que tinha boas referências do secretário em relação a passagem dele pelo Ministério da Saúde nos anos entre 2003 e 2005, ainda no governo Lula.

Desde 2009, Chioro é secretário de Saúde de São Bernardo. Ele é formado em medicina, e além disso, é doutor pela Universidade Federal de São Paulo. Ele também atuou como secretário de Saúde no município de São Vicente, entre 1993 e 1996.

Já em 2011, Chioro se tornou presidente do Cosems-SP, Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo. Em 1996, ele escreveu um livro inspirado nas teorias do espiritismo, nomeado de “Magnetismo, Vitalismo e o Pensamento de Kardec”.

Outra Via – Depois de acertar a escolha, o secretário e futuro ministro foi almoçar com Padilha em uma restaurante famoso do Distrito Federal. Segundo especulações, os dois devem acompanhar a presidente em uma viagem para Cuba, na próxima semana.

Um fator que teve participação na escolha do secretário foi a disputa entre Padilha e Fernando Pimentel, ministro do Desenvolvimento, que indicou o provável titular da saúde. Os dois queriam palpitar na escolha de Dilma, mas ela preferiu escolher uma terceira via.