Publicado em: terça-feira, 29/05/2012

Argentina faz restrições à compra de moedas estrangeiras

O governo argentino reforçou ontem o controle no câmbio para evitar a movimentação de moeda estrangeira. Essa ação faz parte do plano que já vem sendo implementando desde o final do ano passado. O objetivo é evitar fuga de divisas estrangeiras no país. A partir de hoje, qualquer pessoa que queira comprar moeda estrangeira, seja dólar, real ou euro, deverá pedir autorização para a Receita Federal da Argentina. Será necessário informar o destino da viagem, o motivo e a data. Se a pessoa não fizer esse processo, terá que comprar moeda no mercado paralelo em que a taxa é de 32% a mais.

Processo de restrição vem sendo implementado desde o ano passado no país

Essa imposição de limites para compra da moeda já vem sendo feita desde o ano passado quando o governo argentino impôs as primeiras barreiras para a aquisição de qualquer tipo de moeda. Desde novembro de 2011, sempre que os argentinos precisam fazer alguma operação de cambio, precisam de autorização. Era preciso até o momento, apenas declarar que havia o dinheiro a ser trocado e que ele havia sido declarado. Segundo pesquisa do governo, só ano passado US$ 11 bilhões saíram do país. Segundo o economista Fausto Spotorno, essa preocupação é resultado da diminuição do saldo das transações correntes no país.

Gastos com importação é uma das razões para a falta de dinheiro

Segundo o economista, um dos principais motivos para a falta de dinheiro é o gasto que a Argentina vem tendo com a importação de energia em função de suprir a crescente demanda pelo bem no país. Em 2011, somente com a compra de petróleo e gás o governo gastou US$ 10 bilhões. Esse ano será um valor ainda maior, totalizando em US$ 16 bilhões gastos com importação de energia. Na maioria das vezes essa compra é feita ao Brasil, o país vizinho com maior potencial de abastecimento de energia.