Publicado em: sábado, 17/03/2012

Argentina estabelece cota para entrada de carne suína brasileira

A argentina quer limitar a entrada de carne suína brasileira no país. O objetivo é criar uma cota referente à quantidade embarcada por ano para o país. Essa questão foi discutida ontem, na Argentina, pelos ministros da Agricultura: Mendes Ribeiro Filho, do Brasil, e Norberto Yahuar, da Argentina. A proposta argentina, segundo dados do Ministério da Agricultura do Brasil, foi uma cota de 3 mil toneladas por mês. Esse número foi apresentado por Yahuar durante a reunião com Ribeiro Filho.

O objetivo dessa medida, por parte da Argentina, é evitar que haja picos de importação, o que tem prejudicado a economia interna e os produtores locais que não possuem espaço para vender a carne produzida internamente porque o mercado está saturado com as compras feita do Brasil. O valor apresentado pelo ministro argentino está um pouco abaixo daquilo que foi enviado para a Argentina em 2011. Foram cerca de 3,5 mil toneladas no mês passado e esses dados são recolhidos pela Abipecs, a associação da indústria brasileira de carne suína.

A quantidade de toneladas enviadas ao país vizinho nos meses de 2011 só ficou abaixo de três mil em junho e julho. Nos demais sempre esteve acima da cota que a Argentina quer estabelecer. Em dezembro, por exemplo, foram 4,5 mil toneladas, o que foi considerado o mais volume do ano todo. Com essa grande quantidade a Argentina já vinha colocando impedimentos na chegada de mercadoria brasileira no país. Já havia, por exemplo, suspendido a emissão de guias de importação. Com isso os embarques caíram para 478 toneladas em fevereiro ante 4,3 de janeiro de 2012.

Destaca-se que o envio de carne brasileira para o país vizinho gerou protestos dos criadores argentinos que argumentavam que a compra de carne brasileira prejudicava a produção interna. Para evitar intriga entre os dois países os ministros estão discutindo um valor médio de importações e assim auxiliar também o produtor local. Os dados mostram que 9% das exportações brasileiras vão para a Argentina e que 75% da carne importada pelo país são daqui.