Publicado em: domingo, 11/05/2014

Após ter contas bloqueadas justiça pede quebra de sigilo bancário e fiscal do empresário Eike Batista

Após ter contas bloqueadas justiça pede quebra de sigilo bancário e fiscal do empresário Eike BatistaO empresário Eike Batista está em pauta atualmente, o empresário que já teve uma das maiores fortunas do mundo enfrenta um declínio em seu império desde a crise instaurada em empresas que fazem parte de seu império.

Essa semana Eike Batista teve contas bloqueadas, em consequência disso o valor que se encontra bloqueado chega a R$ 122 milhões, porém os males que abalam o empresário ficaram ainda piores na noite desta sexta-feira após um Juiz da Vara Criminal Federal assinar o decreto em que autoriza a quebra de sigilo bancário e fiscal de Eike.

A decisão tomada pelo Juiz é preliminar, portanto com isso os advogados de Eike podem entrar com recurso contra a medida, caso o recurso seja negado, com essa decisão judicial será possível que o Ministério Público Federal tenha conhecimento sobre as operações financeiras de Eike, além disso será possível ter acesso de declarações que foram entregues pelo empresário para a Receita Federal.

No início desta semana Eike Batista passou para o nome de seus filhos duas mansões que estavam no seu nome, porém ele detém usufruto das propriedades, fontes ligadas ao empresário declaram que a crise que abateu Eike é tão grandiosa que seu iate virou “sucata” por falta de manutenções periódicas, além disso o jato particular do empresário teria sido vendido.

As propriedades que foram passadas para o nome dos filhos de Eike, Olin e Thor Batista, filhos de seu casamento com a modelo Luma de Oliveira, somam um valor de R$ 50 milhões e Eike já havia passado uma das propriedades para o nome dos filhos no ano de 2013, período em que uma de suas empresas já havia realizado o pedido de recuperação judicial, a outra casa foi doada no final do ano de 2013, porém com toda a crise que assolava o empresário, a doação das residências só ganhou destaque nos últimos tempos, quando a crise no império do empresário já era evidente aos olhos do país.