Publicado em: quarta-feira, 21/05/2014

Após registrar número recorde de congestionamento nesta terça-feira motoristas e cobradores de ônibus decidem continuar a greve

Após registrar número recorde de congestionamento nesta terça-feira motoristas e cobradores de ônibus decidem continuar a greveNesta terça-feira a cidade de São Paulo registrou o número mais alto do ano referente a congestionamentos, a cidade teve o número de 261 quilômetros de vias e avenidas congestionadas, o motivo foram as paralisações ocorridas entre motoristas e cobradores, que decidiram cruzar os braços.

A Companhia de Engenharia de Tráfego decidiu interromper o rodízio de carros na cidade, já que o trânsito esteve complicado ao longo de todo o dia na cidade, para esta quarta-feira a CET ainda não decidiu se mantém ou não o rodízio.

Segundo informações da SpTrans, administradora do transporte público de São Paulo, os motoristas e cobradores decidiram manter a paralisação e portanto não retiraram os veículos coletivos da garagem nesta manhã, no decorrer da madrugada ocorreu o bloqueio da avenida Guarapiranga.

Um número de oito coletivos que não retornaram para garagem na noite desta terça-feira fora utilizados no bloqueio desta via em um protesto que de acordo com as informações da Companhia de Engenharia de Tráfego durou duas horas, teve seu início às 4h da manhã e terminou por volta das 6h da manhã desta quarta-feira.

Com as paralisações que ocorreram nesta terça-feira não foi somente o trânsito que sofreu com esses reflexos, mas também estações de trens e metrôs da cidade ficaram lotadas, já que era a única opção de transporte para que as pessoas pudessem retornar as residências, já que 15 terminais da cidade estavam totalmente bloqueados.

Segundo informações uma reunião está prevista para acontecer na manhã desta quarta-feira entre a Prefeitura de São Paulo e representantes dos motoristas e cobradores, para que se possa chegar a um acordo, os profissionais reivindicam por melhores condições de trabalhos e também reajuste salarial, quatro das nove empresas de transporte coletivo de São Paulo iniciaram a manhã desta quarta-feira com paralisações.