Publicado em: sábado, 12/04/2014

Após nove anos do investimento de R$500 milhões da Record, dramaturgia volta a ter fraca audiência

Após nove anos do investimento de R$500 milhões da Record, dramaturgia volta a ter fraca audiênciaJá se passaram nove anos desde que a Record fez seu maior investimento de todos os tempo, criando um complexo de novelas chamado “RecNov”, tendo um custo de R$500 milhões, entretanto, todos esses anos depois, a dramaturgia da Record parece estar exatamente da mesma forma de quando começou. A emissora anda deixando a desejar quando se trata de audiência, que teve uma queda significativa em 65% desde 2005, e atualmente, a novela Pecado Mortal que está no ar, marcou a pior média desde o início do projeto “A Caminho da Liderança”, em 2004.

No última terça (9), a novela de Carlos Lombardi, teve apenas 3,7 pontos na Grande São Paulo, número do qual foi registrado somente em Meatmorphosis de 2004, que no caso foi considerado o maior fracasso de toda dramaturgia da emissora, só conseguiu ficar em quarto lugar, logo atrás do SBT. Há algum tempo, o setor de novelas da Record não se recupera e se mantém sempre atrás, não atingindo dois dígitos de audiência, a última vez em que aconteceu, foi com a novela Vidas em Jogo (2011), que foi encerrada com 11,5, mas após isso, começou a ser marcada pela decadência. Logo após a novela Máscaras (2012), de Lauro César Muniz, conseguiu derrubar de vez a audiência da emissora, depois, em mais uma tentativa falha, Pecado Mortal, também não atendeu as expectativas.

Dificuldades

Atualmente, a Record conseguiu se recuperar um pouco com as novelas Prova de Amor (2005) e Caminhos do Coração (2007), as duas marcaram os maiores sucessos da dramaturgia, foram produzidas por Tiago Santiago e conseguiram se superar, ultrapassando a marca de 15 pontos na média, causando incomodo na Globo, que sempre esteve na liderança. Além de todas as dificuldades, a emissora também tem problemas quanto a retomar o segundo horário de novelas, sem elenco previsto, “Os Dez Mandamentos” teve que ser adiado para 2015. A Record não informou mais detalhes sobre o Ibope.