Publicado em: segunda-feira, 12/05/2014

Após negociações, sequestrador se entrega à polícia no Rio

Após negociações, sequestrador se entrega à polícia no RioO que tinha tudo para ser um sábado normal, acabou se tornando um sábado de horror. Um homem que foi identificado como Paulo Alberto, de 33 anos, seria usuário de drogas e manteve reféns dentro de um ônibus parado na Avenida Brasil, próximo ao Shopping Guadalupe, no Subúrbio do Rio, ele se rendeu somente às 19h30. Ele foi encaminhado para a 39ª DP(Pavuna), além disso, a passageira que foi feita refém por ele, foi até uma delegacia prestar depoimento.

De acordo com policiais do batalhão, o homem tentava assaltar os passageiros quando o ônibus foi parado por uma equipe do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BPVE), em torno das 17h. Tendo se visto sem saída, o homem pegou uma passageira como refém e também o motorista do veículo, ele os ameaçava com uma tesoura, descreve os policiais que estava presentes no momento. A jovem se chama Rafaela, os outros passageiros que estavam no ônibus, conseguiram escapar e deixar o coletivo, de acordo com a polícia.

O ônibus pertence a linha 723 (Mariópolis – Cascadura). Segundo o Centro de Operações da Prefeitura, por conta disso, um trecho da Avenida Brasil foi interditada e liberada em torno das 20h. O mérito do resgate se deve ao Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope) que chegou ao local e conseguiu convencer, após muita negociação, que o sequestrador se rendesse e libertasse as vítimas. Além do Bope, uma guarnição do Corpo de Bombeiros também estava presente por precaução. Foi conversado com o sequestrador pela janela do coletivo. A polícia conta de às 18h50, 28 agentes estavam no local acompanhando as negociações. Um outro lado atingido por conta do sequestro foi o transito, que em razão da faixa interditada, o transito chegou a Irajá.

Caso do ônibus 174

Um caso parecido foi lembrado, no dia 12 de junho de 2000, às 14h20, Sandro do Nascimento, entrou no ônibus 174 armado e rendeu a todos. A polícia logo cercou o ônibus na Rua Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio. Sandro manteve dez reféns dentro do ônibus. Atirou contra policiais, exigiu armas e um motorista para fugir.