Publicado em: terça-feira, 20/05/2014

Apesar da discordância de familiares polícia conclui inquérito onde responsabiliza Marcelinho Pesseghini como assassino da família

Apesar da discordância de familiares polícia conclui inquérito onde responsabiliza Marcelinho Pesseghini como assassino da famíliaUm caso que chocou o país no ano passado teve sua conclusão, depois de nove meses de investigação o inquérito sobre a morte da família Pesseghini chegou ao fim, e segundo os investigadores o responsável pelas mortes é mesmo o filho do casal de policiais, Marcelinho Pesseghini.

Os familiares discordam da investigação e garantem que todos foram assassinados na casa, eles dizem que Marcelinho não sabia atirar e nem dirigir e que portanto seria impossível que a tese das investigações policiais estivessem corretas.

O inquérito demorou para ser finalizado pois estava sendo aguardado um parecer do instituto de criminalística que teve um laudo produzido em fevereiro, onde a conclusão da polícia foi contestada, este documento teve a assinatura de George Sanguinetti e contesta a perícia da polícia, dizendo que pela posição em que o corpo de Marcelinho foi encontrado, seria impossível que ele tivesse se matado depois, o laudo indica que todos foram assassinados.

A família também acredita nessa tese e diz que a polícia investigou o caso seguindo apenas uma linha de investigação, levando em conta apenas que Marcelinho poderia ter matado os familiares e depois se matado, a advogada dos familiares declarou que irá esperar a posição do Ministério Público em relação ao caso para que ela peça ou não uma nova investigação do caso, segundo ela existem muitas contradições no processo, portanto ela crê que seu pedido será desnecessário já que o próprio Ministério deve fazer esse pedido de revisão.

Segundo um laudo realizado por um psiquiatra Forense, Marcelinho foi quem matou todos naquela noite, e para ele o menino já estava planejando o crime à cerca de cinco meses, antes de colocá-lo em prática, segundo Guido Palomba, Marcelinho foi motivado pela psicopatia que possuía.