Publicado em: sexta-feira, 02/03/2012

Apenas 6 cidades no Brasil recebem avaliação máxima do SUS

Apenas 0,1% das cidades brasileiras alcançaram nota superior a 8 na avaliação do Sistema Único de Saúde. Essa nota é estabelecida por um novo indicador criado pelo Ministério da Saúde para avaliar o sistema público de saúde no país que se chama Índice de Desempenho do SUS (Idsus). Em uma escala de 0 a 10, apenas seis cidades receberam a classificação máxima. Quatro delas estão na Região Sul e duas no Sudeste. A média em todo o país foi de 5,47.

Segundo o Ministro da Saúde, o resultado da pesquisa mostra que o acesso e a qualidade são os grandes desafios do SUS neste momento. Segundo Técnicos do Ministério da Saúde, para as características do país, a média 7 teria sido considerada aceitável. Para o ministro, esse índice serve de instrumento para que os administradores identifiquem e corrijam os problemas.

Indicador foi construído a partir de 24 quesitos avaliados

O indicador criado pelo Ministério da Saúde foi feito a partir de 24 quesitos analisados em todos os municípios. Exemplos de fatores incluídos são: número de equipes de saúde da família, média de consultas durante pré-natal e mortalidade de menores de 15 anos nas UTIs.

Os quesitos escolhidos, segundo o Ministério, são suficientes para identificar o acesso da população aos serviços oferecidos e a qualidade deles. Esse índice foi feito com dados coletados entre 2007 e 2010 em 5.633 municípios analisados. Sobre as notas, 20,7% deles obtiveram notas entre 0 e 4,9 e 47% alcançaram uma pontuação que varia entre 5 e 5,9.

O IDSUS considerou as diferenças entre os municípios e, por isso, separou as cidades em seis grupos de acordo com o desenvolvimento econômico, as condições de saúde e a estrutura dos sistemas de saúde. 29 cidades foram incluídas no grupo 1, que é formado por aquelas que apresentam melhor infraestrutura e condições de atendimento. 94 se concentraram no grupo 2, com infraestrutura aceitável, mas menos especializada. Nos grupos 5 e 6 ficaram 4.221 cidades, 76% do total, que é onde não existe tratamento avançado.

Os resultados indicam que a maior oferta do SUS está concentrada nas regiões Sul e Sudeste. A melhor nota ficou para a região Sul, com 6,12, seguida de São Paulo, com 5,56. O Centro-Oeste ficou com 5,26 e o Norte alcançou 4,67. Analisando os estados Pará teve o pior desempenho, obtendo a nota 4,17 e o Rio de Janeiro ficou com 4,58, com a terceira pior classificação.