Publicado em: segunda-feira, 15/04/2013

Aos 82 anos, Russo afirma que morre se a Globo o mandar embora

Aos 82 anos, Russo afirma que morre se a Globo o mandar emboraUm dos funcionários mais carismáticos da televisão brasileira, Russo completa 50 anos de profissão, sendo 45 anos só de Rede Globo.
Em entrevista à coluna do site “Retratos da Vida” o contrarregra admitiu que sente saudades de Chacrinha, que morreu em 1988, pois ele foi o seu melhor patrão e o responsável por colocá-lo dentro do universo televisivo.

Com 82 anos de idade, Russo afirmou que gostaria de voltar a trabalhar com Luciano Huck, que para ele é o segundo melhor patrão dentre todos que já teve, mas a saúde debilitada e a idade já bem avançada não permitem que ele faça mais muito esforço, carregue muito peso, coisas que são necessárias para poder fazer parte da equipe do apresentador. Durante a entrevista, Russo contou que dois anos atrás ele sofre um infarto enquanto estava trabalhando e precisou ser levado as pressas para um hospital próximos aos estúdios da emissora. Por conta disso, colocou cinco ponte de safena e teve que ficar dois meses afastado do trabalho. Acabada a licença médica, Russo voltou a sua rotina de assistente de palco que pega um ônibus no bairro em que mora, no subúrbio do Rio de Janeiro, e leva quase duas horas para poder chegar ao local de trabalho. Totalmente apaixonado pelo que faz, Russo garantiu que acha que Deus gosta muito dele e que ele é uma pessoa totalmente realizada no que faz. Russo garante que o que em que a Globo o mandar embora, ele morre.

Casado há nove anos com Adriana, cinquenta anos mais nova, ele revelou na entrevista que eles se conheceram na época que ele trabalhava como assistente de palco da Xuxa. Adriana era fã da rainha dos baixinhos, e se aproximou do contrarregra para tentar ser um passe livre para entrar no programa e conhecer a apresentadora. NO fim, a história virou casamento e os dois hoje moram juntos em uma casa de dois andares alugada, no fundo de um terreno.
Russo contou na entrevista que gostaria muito de poder ter uma casa própria, mas não consegue, mas que nem por isso pediu ajuda a alguém.