Publicado em: quarta-feira, 04/04/2012

Ao menos cinco pessoas participaram de roubo a livros raros

De acordo com informações divulgadas pela Polícia Civil de São Paulo, ao menos cinco pessoas estão diretamente envolvidas no roubo de livros raros do Instituto de Botânica, ocorrido no mês de fevereiro. Uma delas já está detida e as outras quatro foram reconhecidas.

A averiguação do caso teve início através de imagens registradas pelas câmeras de segurança do instituto, e também pelo carro utilizado no crime, já que ele tinha placas clonadas e foi achado pela polícia no começo de março, depois de ser incendiado em Pirituba, na zona norte da capital.

Com a investigação, os policiais chegaram até o autônomo Carlos Xavier de Araújo Lima, de 38 anos, procurado por roubo. Desde então, a polícia o monitorava na tentativa de identificar os outros integrantes da quadrilha. A negociação dos livros acabou avançando e um encontro foi marcado para a última segunda-feira (2).

A polícia prendeu o homem no momento em que ele deixava uma academia na região central da cidade. Várias equipes com carros descaracterizados andaram pela região para buscar os outros suspeitos, mas nenhum deles foi encontrado. Entretanto, os livros foram encontrados. Para a polícia, os bandidos abandonaram os livros na rua quando notaram a movimentação de veículos pelos arredores.

O roubo das obras ocorreu em 2 de fevereiro, ocasião em que dois seguranças da biblioteca foram rendidos por três homens, que fingiram fazer consultas, mas acabaram anunciando o assalto. Os criminosos obrigaram uma das funcionárias a dar acesso ao local onde ficavam as obras raras, que era fechado através de grades. As três obras procuradas são do final do século 19 e começo do século 20. Cinco volumes de “Sertum Palmarum Brasiliensium”, de 1903, onze volumes de “Flora Fluminensis”, de 1827 e dois volumes de “Les Bambusées”, de 1913 (dois volumes) foram levados, além de mais quatro livros raros.