Publicado em: sábado, 12/01/2013

Anorexia e hiperatividade estão ligados através de mecanismo

Anorexia e hiperatividade estão ligados através de mecanismoA anorexia nervosa, que é um grave distúrbio alimentar, e a hiperatividade física podem estar ligadas através de um mecanismo molecular comum entre as duas, esta descoberta pode fazer com que ocorra tratamento da doença que pode afetar adolescentes em sua maioria, conforme aponta um estudo atual.

Acreditava-se que a hiperatividade de pessoas anoréxicas ocorria de maneira intencional e o objetivo era perda de maior quantidade de peso através da queima de calorias, mas uma equipe de cientistas do Inserm, CNRS e das universidades de Montpellier e de Nîmes descobriram que há um mecanismo comum que pode explicar um elo entre estes comportamentos.

Utilizando ratos modificados geneticamente que podem imitar o comportamento da anorexia em humanos, os cientistas descobriram que eles tinham uma anormalidade nas moléculas na região do cérebro que é ligada com a recompensa. A anomalia significa um excesso de expressão dos genes do receptor 5-HT4, que é a serotonina, que é um receptor em células que faz o controle da hiperatividade motora em ratos.

Valérie Compan, que coordenou a pesquisa publicada na revista Translational Psychiatry no fim de 2012 afirmou que houve uma identificação pela primeira vez de algo que era comum entre anorexia e hiperatividade.

Relações entre o vício

A pesquisadora também confirmou que existem semelhanças entre anorexia e vício. Segundo Compan a anorexia e cocaína podem trilhar o mesmo caminho de moléculas, o que vem a confirmar de que anorexia trata-se de um vício. Os cientistas também fizeram a descoberta de que este receptor pode se tornar totalmente inativo e pode levar a um consumo excessivo de alimentos, como ocorre na bulimia.

Compan diz que os distúrbios que podem afetar o receptor que algumas vezes é bastante ativo e pode suprimir o apetite e algumas vezes está inativo pode vir a explicar as oscilações que ocorrem entre anorexia e bulimia em pacientes. Ela espera que este trabalho possa ser realizado em seres humanos.