Publicado em: terça-feira, 07/02/2012

Andrés Sanchez critica tempo de Ricardo Teixeira no comando da Confederação

Nesta segunda-feira, dia 6 de fevereiro, o diretor de Seleções da CBF, Andrés Sanchez, afirmou que acha um absurdo um dirigente ficar mais de 15 anos comandando uma Confederação de Futebol. Ele respondeu desta forma quando foi perguntado sobre a permanência de Ricardo Teixeira, que está no poder desde 1989. Na quinta-feira, Sanchez concedeu uma entrevista para a Folha de São Paulo em um evento no Shopping Higienópolis, em São Paulo.

O presidente licenciado do Corinthians afirmou que o prazo da Confederação deve ser maior que o de um clube, porém deve haver um limite. Ele conta que sua diretoria limitou o prazo de 10 anos e, a cada três, a presidência é alterada. O dirigente acredita que Ricardo Teixeira irá permanecer no cargo até 2015. Sanchez foi nomeado como diretor de Seleções da CBF no final de 2011.

Ele afirmou que terá “linha dura” com os atletas nas situações em que faltar a disciplina, mas que irá evitar o que aconteceu na “era Dunga”. Ele afirma que é contra a concentração, mas que ela é necessária. Porém, é preciso existir um meio termo. Para Sanchez, é preciso liberar, mas sem cometer excessos.

Ele afirma que a concentração atrapalha, pois são 30 homens juntos durante um mês todo, onde há muito desgaste diariamente. Andrés Sanchez contou na entrevista sobre o salário que irá receber em seu novo cargo. O dirigente revelou que irá receber R$ 75 mil, e acredita que o presidente ganhe um pouco mais do que este valor. Sanchez afirmou que Fabio Koff recebia R$ 82 mil.