Publicado em: terça-feira, 18/03/2014

Amazon e MEC firmam parceria para digitalizar livros didáticos

Amazon e MEC firmam parceria para digitalizar livros didáticosNesta terça-feira a Amazon, que recentemente chegou ao mercado brasileiro com a venda de ebooks, anunciou que o Ministério da Educação (MEC) selecionou uma tecnologia da empresa para conversão digital de livros didáticos. O objetivo do MEC é digitalizar cerca de 200 obras para que elas possam ser visualizadas em tablets.

Sem pagamento

A seleção de tecnologias para esta função não prevê remuneração. Por isso, a Amazon fará o trabalho gratuitamente. Para digitalizar as obras, a empresa utilizará a tecnologia Whispercast, que foi considerada a mais adequada às necessidades do MEC. Apesar de utilizar o formato Kindle, a tecnologia Whispercast também é compatível com tablets que utilizem os sistemas operacionais iOS e Android. A tecnologia Whispercast já é bastante difundida nos Estados Unidos, com a mesma finalidade que será utilizada por aqui.

Benefícios

Embora não vá ganhar nada em termos financeiros, o Amazon não apostou neste investimento apenas por filantropia. Embora não tenha revelado quanto gastará para realizar este serviço, a empresa afirmou que, com esta iniciativa, pretende popularizar a leitura em dispositivos digitais entre as crianças e, ao mesmo tempo, tornar mais conhecida a tecnologia Whispercast.

Com a Whispercast, os professores recebem diversas ferramentas de interatividade. É possível, por exemplo, acessar o dicionário durante a leitura, além de fazer anotações em trechos importantes.

Longo prazo

Segundo Alex Szapiro, diretor geral da Amazon no Brasil, este é um projeto de longo prazo. Para o executivo, o aumento no grau de leitura das crianças acabará influenciando o número de livros digitais adquiridos no futuro. De acordo com informações da Câmara Brasileira do Livro, 35% do faturamento deste mercado é proveniente de livros didáticos. Mas, obviamente, a Amazon acredita que este não será o único setor a ser estimulado com o aumento da leitura entre as crianças.

Tablets

Atualmente, cerca de 380 mil professores da rede pública de ensino do país utilizam tablets em salas de aula. Os equipamentos foram adquiridos em 2012 e, na época, a Amazon não participou do pregão eletrônico, que acabou sendo vencido por Digibrás e Positivo.

Atualmente o Kindle Fire, tablet da Amazon, não é comercializado no Brasil. Por aqui, até o momento, são vendidos apenas os ebook readers da empresa. Uma das expectativas da Amazon para incentivar a popularização de e-readers no Brasil tem a ver com um projeto de lei, que atualmente tramita no Congresso. Com este projeto, os e-readers passariam a receber tratamento igual ao dos livros tradicionais no que diz respeito a importações, ou seja, deixariam de ser taxados ao chegar ao país.

De acordo com Szapiro, esta lei poderia deixar os e-readers até 50% mais baratos nas lojas brasileiras, devido à redução na carga de impostos. Atualmente, a versão mais básica do Kindle é vendida no país por R$299, enquanto o Paperwhite, modelo mais completo, custa R$699. Estes dispositivos chegaram ao Brasil apenas em fevereiro deste ano, quando a Amazon já atuava no país há mais de um ano com a venda de e-books.