Publicado em: terça-feira, 25/03/2014

Amazon deve começar venda de livros físicos no Brasil

Amazon deve começar venda de livros físicos no BrasilNesta terça-feira, 25 de março, diversos veículos de imprensa anunciaram que a Amazon iniciará, até maio, a venda física de livros no Brasil. A empresa não confirma a história, limitando-se a dizer que este é apenas um rumor de mercado. Contudo, a Amazon já assinou contrato com quase todas as editoras brasileiras de grande porte, o que deixa claro sua intenção de ampliar o mercado para o público brasileiro.

Avanços

A Amazon brasileira é consideravelmente diferente de sua matriz, localizada nos Estados Unidos. Lá, a empresa já se consolidou como a maior varejista online do país, oferecendo milhões de produtos diferentes, que vão de livros a peças automotivas, passando também por roupas, discos, brinquedos e produtos eletrônicos.

No Brasil, a Amazon se instalou em dezembro de 2012 e, durante mais de um ano, se dedicou apenas à venda de aplicativos e livros digitais. Dentre os principais desafios para aproximar a loja brasileira da norte-americana estão questões tributárias e logísticas. Apenas em fevereiro deste ano a empresa começou a vender produtos físicos, mas limitou-se ao Kindle, leitor de livros digitas desenvolvido pela própria Amazon.

Eficiência

Em fevereiro, o presidente da empresa no Brasil, Alex Szapiro, declarou que a Amazon só se inicia em um novo mercado quando tem a certeza de que poderá oferecer um atendimento superior a seus clientes. De fato, nos Estados Unidos, a empresa é reconhecida pela eficiência, principalmente no que diz respeito à velocidade de entrega. Por lá, a Amazon possui uma rede própria de distribuição, o que não acontece no Brasil. Por aqui, a opção foi terceirizar esta operação, utilizando serviços dos Correios e da transportadora Directlog.

Carlo Carrenho, fundador do portal Publish News, acredita que a chegada da Amazon ao mercado de livros físicos no Brasil poderá trazer muitas vantagens aos consumidores, não apenas no que diz respeito aos preços, mas no serviço como um todo.

Pressão

Carrenho acredita que as vendas físicas de livros na Amazon poderá, também, gerar uma reação em cadeia benéfica para os consumidores. Atualmente, de acordo com ele, algumas livrarias virtuais podem demorar até 20 dias para entregar seus produtos. A Amazon, reconhecida pela velocidade de entrega, poderá pressionar as concorrentes por uma melhoria de serviços. Também é importante destacar a questão dos descontos, que poderão puxar os preços dos livros para baixo.

Contudo, para Carrenho, a eficiência logística é o fator preponderante. O consultor editorial cita o caso da Alemanha, onde há leis que controlam os preços de lançamentos, com o objetivo de proteger editoras de menor porte. Ou seja, no país, a Amazon não pode baixar demais os preços de novos livros. Ainda assim, a empresa tem ganhado muito terreno na Alemanha, pois se diferencia da maioria das concorrentes no que diz respeito aos prazos de entrega.

Conforme apurado, a empresa pretende iniciar suas vendas de livros físicos no Brasil ainda em maio. Por isso, é possível que, nas próximas semanas, a Amazon faça um pronunciamento oficial sobre seu ingresso neste novo segmento.