Publicado em: quinta-feira, 27/09/2012

Alunos protestam contra câmeras de segurança e colégio suspende mais de cem alunos

Alunos protestam contra câmeras de segurança e colégio suspende mais de cem alunosCento e sete alunos do Colégio Rio Branco, no bairro de Higienópolis, um dos mais tradicionais da cidade de São Paulo, foram suspensos das aulas nesta terça-feira (25) por terem se manifestado contra a instalação de câmeras nas salas de aulas.

O protesto aconteceu no dia anterior durante o intervalo às 10h20, e durou por mais de duas horas. Segundo uma das alunas, a instalação de câmeras criou polêmica entre os estudantes que disseram que a sua privacidade foi invadida. Ela ainda afirma que o que mais causou indignação para eles foi o fato de a direção não avisar com com certa antecedência e se negar a justificar os motivos da colocação dos equipamentos.

Esther Carvalho, diretora-geral do Colégio Rio Branco, afirmou que a instalação das câmeras visa dar maior segurança à comunidade escolar e a colocação do equipamento faz parte de um projeto que já está andamento há quatro anos no colégio. Ela disse que: “Hoje a presença de câmeras é uma realidade em diversas instituições, até mesmo nas escolares”.

A suspensão aos alunos foi dada, segundo a diretora, pelo fato de os estudantes terem se manifestado no horário de uma aula. Conforme diz o regimento escolar do colégio, não participar das aulas no período pode levar à suspensão do aluno que descumprir, pelo período de até cinco dias.

O diretor da Escola de Direito da FGV Oscar Vilhena Vieira diz que estes mecanismos desconstroem o controle indispensável que deve existir na relação de respeito entre professores e alunos.

O recurso retira a autoridade de professores e alunos, mesmo que o objetivo seja detectar problemas no comportamento de ambos.