Publicado em: segunda-feira, 20/01/2014

Alguns traços podem revelar esquizofrenia em comediantes

Traços podem revelar esquizofrenia em comediantesA Universidade de Oxford publicou no British Journal of Psychiatry publicou uma pesquisa interessante. Como várias pessoas criativas tem traços psicóticos, os comediantes também possuem esse traço. Por isso o poder que eles exercem de divertir tanto as pessoas.

O surpreendente é como essas pessoas tem níveis altos de extroversão e introversão. O humor pode ser similar aos traços que foram observados em pessoas que tem psicose.
Foram envolvidas 523 pessoas que trabalham com comédia, ao todo foram 119 mulheres e 404 homens do Reino Unido, Austrália e E.U.A. Foram respondidos questionários online, que foi criado para a medição de traços psicóticos em pessoas que são saudáveis.

O questionário foi respondido por 831 pessoas que trabalham em áreas que não são criativas e 364 atores da atividade. O grupo geral não teve uma pontuação tão significativa quanto os comediantes. Houve uma apresentação maior particularmente mais alto tanto em traços de personalidade introvertida e extrovertida.
A psicose esquizofrênica pode prejudicar o senso de humor e ainda assim em uma forma mais leve poderá aumentar a habilidade de uma pessoa para fazer associação às coisas esquisitas ou “pensar fora da caixa”, relata Gordon Claridge, professor do Departamento de Psicologia Experimental.

Os traços que são similares à bipolaridade podem ajudar as pessoas na combinação de ideias e formações de novas conexões divertidas e novas.
Para Claridge muitos comediantes tem a tendência de serem um pouco introvertidos e às vezes evitam a socialização, por isso entram na comédia como forma de escape.
O presidente da entidade Rethink Mental Illness, Paul Jenki, as pesquisas com essas descobertas são significantes, mas precisamos ficar atentos para não criarmos o conceito do gênio criativo enlouquecido. Essas doenças, como a esquizofrenia são afetadas por qualquer pessoa, podendo ser criativa ou não. Não temos ainda um entendimento das doenças mentais por completo e estamos nos avançando ainda mais nessa área.