Publicado em: sábado, 17/03/2012

Alagoas contrata 2,3 mil professores sem concurso

Em Alagoas, o estado que lidera os índices de analfabetismo no Brasil, 2.350 monitores tiveram seus contratos renovados com a Secretaria de Educação e Esportes de Alagoas (SEE), a três dias do começo do ano letivo de 2012.

De acordo com informações da SEE, de cada dez professores no estado, três dele não possui concurso público. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Educação, a medida é prejudicial, não contribuindo para o estado melhorar os índices.

“Não posso dar o nome porque senão sou demitido. Mas, é um absurdo. O monitor recebe o salário atrasado, a gente não é concursado, pode ser demitido a qualquer momento. É emprego, é, mas não é justo”, reclamou um monitor.

Desde ontem, ele é um dos monitores que irá atuar dando aulas em salas de aula que não contam com professores concursados, nas áreas de português, matemática, química, física e biologia.

“Eu prevejo uma série de dificuldades porque Educação em Alagoas não tem planejamento. O concurso é prometido há dois anos. E agora eles contratam mais de 2 mil monitores e tenho certeza: não será suficiente porque a carência é de 6 mil profissionais. E estamos falando de professores, mas faltam merendeiras, recursos humanos, auxiliares de serviços diversos nas escolas”, explica Girlene Lázaro, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação (Sinteal).

Soluções temporárias

O secretário da Educação e do Esporte, Adriano Soares, explica que a contratação dos profissionais que vão atuar como monitores deverá apenas suprir a carência até que sejam realizados novos concursos para docentes, previstos para ainda este ano. “Esta contratação é importante porque o ano letivo já começa na próxima semana e, com a prorrogação destes contratos, iniciamos as aulas cumprindo a grade curricular com o mínimo de carência possível”, declarou.

O secretário ainda garantiu que novos monitores serão selecionados até maio e também no segundo semestre de 2012 acontecerá o concurso público para contratação de profissionais efetivos para a rede de ensino.

Em Alagoas, os dados do IBGE apontam que 25% da população é analfabeta. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) afirmou que cerca de 36% da população que irá votar este ano consegue apenas assinar o próprio nome.