Publicado em: quinta-feira, 15/12/2011

Afegã foi libertada após ter sido presa por “adultério forçado”

Nesta quarta-feira, dia 14 de dezembro, uma mulher do Afeganistão foi libertada depois de ser presa por “adultério forçado” por ter sido abusada por um parente. Ela recebeu o perdão a quase duas semanas e foi solta após um conselho judicial feito depois de pedidos internacionais sobre o ocorrido.

De acordo com a advogada de defesa, Kimberley Motley, a mulher foi solta na noite de terça-feira e ela em um lugar seguro e feliz. Ter relações sexuais fora do matrimônio, mesmo em situações de abuso é considerado um dos diversos “crimes morais” cometidos por mulheres afegãs condenadas a prisão. Entre os outros crimes condenáveis estão fugir de um casamento forçado ou de um marido abusivo.

A mulher chama-se Gulnaz, e agora possui 21 anos. Ela foi abusada pelo primo do seu esposo no ano de 2009 e, mais tarde, foi condenada a cumprir dois anos de cadeia por “adultério à força”. Gulnaz estava grávida e sua filha nasceu na prisão.

Depois de uma apelação, a sua sentença aumentou para 12 anos de detenção. Porém, ela foi avisada de que, se casasse com o estuprador, seria libertada. Em outra apelação realizada em novembro, a pena diminuiu para três anos. A declaração para que Gulnaz se cassasse com o agressor foi retirada, e ele cumpre uma sentença de sete anos.