Publicado em: quarta-feira, 18/01/2012

Advogado do capitão do Costa Concordia afirma que cliente não é “covarde, nem criminoso”

O advogado que está defendendo o capitão do navio Costa Concordia, Francesco Schettino, afirmou que seu cliente não parece ser “covarde, nem criminoso”. Bruno Leporatti concedeu entrevista coletiva para falar sobre o caso na localidade de Grosseto (centro da Itália) e defender seu cliente da opinião pública, que já vem acusando o capitão de ter abandonado o navio enquanto milhares de passageiros aguardavam ser resgatados. Schettino foi condenado na terça-feira (17) a cumprir prisão domiciliar.

“Encontrei uma pessoa afetada, que não me deu a impressão nem de ser covarde nem criminoso. O capitão Schettino me pareceu, no entanto, muito afetado pelo drama humano deste assunto. O capitão está alterado e miserável pelo que ocorreu, profundamente comovido não tanto pela perda do navio, que para um comandante da marinha é gravíssimo, mas pelas perdas de vidas humanas”, declarou Leporatti. O advogado também informou que Schettino não recebeu carta alguma da empresa responsável, a Costa Cruzeiros, suspendendo todas as suas atividades.

Leporatti explicou que a decisão quanto a responsabilidade do capitão perante os crimes dos quais é acusado, homicídio múltiplo, abandono de navio e naufrágio, vai ser decidida por um juíz do eventual processo que venha a se desenvolver. Em sua defesa, Schettino explicou que foi lançado ao mar após o acidente, mas que não abandonou o navio.

Contudo, a Costa Cruzeiros havia alegado anteriormente que isso não exime Schettino da culpa do acidente, pois o capitão teria violado o regulamento que prevê distância de 150 metros da costa. Até o momento, 22 pessoas continuam desaparecidas.