Publicado em: terça-feira, 06/03/2012

Acidente com jet ski que matou menina em SP não tem nenhum indiciado

Ninguém foi indiciado pela Polícia Civil no caso da morte de Grazielly Almeida Lames, de 3 anos, que foi atropelada por um jet ski em Bertioga, litoral de São Paulo, no dia 18 de fevereiro. O inquérito do caso já foi concluído e deve ser entregue ao Ministério Público nesta terça-feira (6). De acordo com o documento, o responsável pelo acidente é o adolescente de 13 anos que estaria pilotado o jet ski, contudo o delegado optou por deixar que a decisão seja tomada pelo Ministério Público.

O veículo foi levado para o Instituto de Criminalística, onde deverá passar por uma perícia na Baixada Santista. O outro adolescente, que acompanhava o acusado na moto aquática, irá prestar depoimento em Mogi das Cruzes, no interior de São Paulo, cidade em que mora.

Nove testemunhas já foram ouvidas, além da família da Grazielly, a mãe do adolescente e os padrinhos dele, os donos da casa e da moto aquática. As versões sobre o caso são contraditórias, pois o adolescente disse à polícia que ligou o jet ski, mas não subiu nele, enquanto que testemunhas disseram ter visto dois adolescentes pilotando o veículo. “Nós vamos aguardar a posição do Ministério Público”, afirmou o advogado da família de Grazielly, William Amanajás Lobato. “Se eventualmente nenhum maior for responsabilizado, a gente vai procurar provas neste sentido que confirme que realmente o garoto foi autorizado por uma pessoa maior a retirar o jet ski e andar com ele na praia causando esse acidente”, concluiu.

O caso

Grazielly Almeida Lames , de três anos morreu após ser atropelada por um jet ski na praia de Guaratuba, em Bertioga. A menina, que ia estava no mar pela primeira vez, brincava na areia com a mãe quando foi atingida na cabeça pelo veículo em alta velocidade, dirigido por um adolescente de 14 anos. A criança chegou a ser levada foi levada para o hospital, mas não resistiu.

De acordo com a policia, o jovem abandonou o Jet Sky e fugiu com o pai. A família do acusado teria saído de helicóptero da casa em que estavam e quando a policia chegou ao local, estava vazio. De acordo com a defesa do adolescente, ele estava com um amigo quando “por curiosidade” ligou o jet ski. “Ao acionar o jet ski ele caiu e o jet ski se projetou, indo embora para praia, pegando a menininha”, afirmou o advogado.