Publicado em: quarta-feira, 26/09/2012

Abertura de Assembleia da ONU teve pedidos para ações na Síria

Abertura de Assembleia da ONU teve pedidos para ações na SíriaNa última terça-feira (25) teve início a 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) com a presenças do líderes mundiais. A sessão de abertura foi marcada pela fala do secretario-geral da organização, Ban Ki-moon, que fez o pedido por ações para que a crise na Síria seja encerrada, e para acabar também com os crimes que estão sendo cometidos dentro do país contra os direitos humanos.

O secretário-geral disse que a situação na Síria vai piorando a cada dia que passa e já ultrapassaram os limites do país, se transformando em uma calamidade na região e com várias ramificações por todo o mundo. A nova sessão de debates foi aberta com esse alerta de Ki-moon e em seguida teve os discursos da presidenta Dilma Rousseff, também do presidente norte-americano Barack Obana, e o líder francês François Hollande.

Ban fez o pedido para que os líderes não desviem seus olhares enquanto a espiral de violência foge do controle, e afirmou que dar um fim nos crimes que estão acontecendo na Síria é dever da “nossa geração”. Ki-moon também ressaltou aos líderes mundiais que se encontravam reunidos na ocasião que as prioridades da ONU devem estar concentradas no Oriente Médio, pois além de impedir que o problemas na Síria se estendam e continuem se agravando, também se deve impedir que Israel e Irã entrem em conflito, pois um confronto entre ambos seria devastador.

A mesma preocupação que o secretário-geral demonstrou com os conflitos no Oriente Médio se refletiu nas falas de outros principais líderes, como o presidente dos Estados Unidos e a presidenta do Brasil, além do líder francês.

O emir do Catar, Hamad Bin Khalifa al Thani, em sua fala, pediu para que houvesse intervenção militar na Síria pelos países que compõem a Liga Árabe, para assim acabar com a situação que Thaini classificou como “inaceitável”, proporcionando ao país o começo de uma transição pacífica.