Publicado em: quinta-feira, 20/10/2011

51% dos municípios cearenses não possuem tratamento de esgoto

No Ceará, o saneamento básico é mais do que precário. A pesquisa “Atlas do Saneamento 2011”, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirma o cenário: 51% do total de 184 cidades cearenses não possuem tratamento de esgoto e 30% não tem coleta pública. Ainda assim, o Ceará conquisto a melhor marca do nordeste.

O resultado desse mapeamento foi apresentado ontem e é uma leitura geográfica das estatísticas contidas na Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB) de 2008. Nacionalmente, apenas 44% dos domicílios têm acesso à rede de esgoto. E em somente 28,5% desses, o esgoto recebe tratamento.

O estudo do IBGE também revelou que as hospitalizações são mais elevadas, em cidades como Pará, Tocantins, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Sergipe e Bahia. Mesmo tão baixo, os resultados do Ceará ficaram acima da média nacional de tratamento de esgoto.

O problema maior está no Piauí e Maranhão, que concentram as principais falhas do país, nesse sentido, com 96% e 94% de cidades sem rede de esgoto. A gerente da Coordenação de Geografia e de projetos do IBGE, Adma de Figueiredo, responsável pela análise do atlas, acredita que “o Brasil avançou em termos de coleta, mas temos que expandir muito mais. O problema maior continua sendo nas periferias das capitais e nas cidades pequenas do interior”.