Publicado em: sábado, 12/11/2011

46% de alunos do sexto ano de medicina são reprovados em exame de proficiência

A prova e proficiência aplicada pelo Conselho regional de Medicina do estado de São Paulo (Cremesp) reprovou 46% dos estudantes que estão se formando no curso de medicina em 2011. A avaliação aplicada em outubro teve teve um índice de reprovação 3% maior em comparação a 2010. Este é o temo ano que os estudantes do sexta ano são avaliados no estado.

A prova que não é obrigatória teve 523 inscritos neste ano, sendo que somente 418 realmente compareceram à prova. Dos participantes, 191 foram reprovados. Desde o primeiro ano após a fase experimental, a prova ja avaliou 3.135 formando, sendo que a média de reprovação é e 58,4%.

A prova é composta por 120 questões, sendo que nenhum inscrito conseguiu acertar todas. ”No exame deste ano, as questões prevaleceram um número, e já nos deram esse dado um número de questões de conhecimento moderado. Quer dizer, não existem questões muito difíceis”, avalia o coordenador do exame, Reinaldo Ayer de Oliveira.

O Cremesp argumenta que a prova deveria ser obrigatória para que os formados possam exercer a profissão assim como os bacharéis em direito preciso ser aprovados no Exame da Ordem dos Advogados do Brasil para exercer a advocacia. “Após sete anos de exame, o Cremesp está convencido de que uma medida excepcional precisa ser tomada, em respeito à população que confia a saúde e a vida aos médicos”, argumenta Oliveira.