Publicado em: sábado, 10/03/2012

12 pessoas morrem por causa da repressão durante visita de Kofi Annan na Síria

Neste sábado (10), ao menos 12 pessoas foram mortas em decorrência da repressão do governo em diversas localidades da Síria. Hoje, o enviado adjunto das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe, Kofi Annan, chegou ao país para uma reunião com o líder Bashar al-Assad. De acordo com os opositores Comitês de Coordenação local, seis pessoas foram mortas na província de Idlib, na fronteira com a Turquia, três morreram em Dearaa e três na periferia de Damasco.

Kofu Annan teve uma reunião na capital do país com seu presidente. O encontro, de acordo com a agência de notícias oficial Sana, aconteceu em “um ambiente positivo”. De acordo com informações dos Comitês, três mortos em Idlib foram assassinados na capital homônima após soldados do regime de al-Assad entrarem em suas residências.

Destruição

Os Comitês afirmam ainda que, em Idlib, diversos imóveis foram destruídos por causa dos bombardeiros feitos pelas forças do governo contra a região de Sheikh Zulz e o bairro da Universidade. Enquanto isso, helicópteros do Exército sírio passavam pelos locais dos ataques. As informações não foram confirmadas devido às restrições que os jornalistas receberam do regime.

Kofi Annan foi enviado para conversar com o presidente al-Assad para tentar estabelecer “bases de diálogo entre as partes envolvidas no conflito político interno”. No Cairo, no entanto, os ministros das Relações Exteriores da Liga Árabe irão se reunir com o chanceler da Rússia, Sergei Lavrov, que “insiste na rejeição a uma hipotética intervenção militar” na Síria.